HUMANISMO X ATEÍSMO X MOVIMENTOS IGUALITÁRIOS

Por Jacqueline K content_pic Opor movimentos pelos direitos das minorias e pelos direitos de grupos oprimidos ao movimento humanista é um contra-senso. Não são a mesma coisa mas fazem parte do mesmo escopo ideológico segundo o qual todos têm direitos iguais, independente de identidade de gênero, orientação sexual, cor da pele ou etnia, religião ou não crença ou classe social.

Por definição, todos os movimentos que lutam por direitos iguais para as minorias e para os grupos historicamente oprimidos se incluem no humanismo.

Tentar desqualificar as lutas dos oprimidos conclamando-os a lutarem ‘apenas’ pelo humanismo e não pelas suas necessidades específicas e contra as opressões direcionadas que sofrem é contribuir para sua discriminação, diminuindo o peso dessas opressões e banalizando os vários tipos de violência a que esses grupos estão sujeitos simplesmente por não fazerem parte dos grupos dominantes.

A luta dos negros é específica; a luta das mulheres é específica; a luta dos ateus é específica; a luta de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros é específica; a luta dos trabalhadores é específica. E todas essas lutas são, em última instância, em prol do humanismo.

A nossa sociedade ocidental foi estruturada sob o ponto de vista do homem branco e heterossexual; além disso, somos em maioria governados dentro do sistema capitalista e ainda sob a égide do Cristianismo. Sendo assim, qualquer indivíduo ou grupo humano que não seja homem, branco e heterossexual, que não seja cristão e que não detenha o capital e os meios de produção se enquadrará nas características denominadas hoje de minorias ou oprimidos.

O ateísmo é uma circunstância de quem não crê em deus ou deuses. Sendo nossa sociedade majoritariamente cristã, indivíduos ateus se enquadram também como minoria social. Ateus defendendo as diferenças de tratamento social e de direitos entre homens e mulheres não os torna menos ateus, mas certamente demonstra que não são humanistas; assim também ateus defendendo a diferença de tratamento e de direitos entre heteros e LGBTs, e entre brancos e negros.

Cada movimento luta pela sua visibilidade, pelos seus direitos e pela sua representatividade na sociedade em igualdade de condições para com o setor social dominante e contra essa diferença opressora. Ateus, negros, trabalhadores, mulheres, índios, gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros se organizam em torno da ideia humanista de que todos os seres humanos são verdadeiramente iguais em direitos.

Alguém pode questionar o porquê de não se incluir nessa lista os cristãos, os latifundiários e empresários, os homens brancos e os heterossexuais…

Por que esses grupos não fazem parte das minorias, nem dos oprimidos; o que não quer dizer que não sejam oprimidos em alguma instância ou que sejam eles sempre opressores, ou que oprimam conscientemente todos os outros. Dizer que um indivíduo ou um grupo é dominante e historicamente opressor quer dizer que desfrutam de privilégios sociais desde que nasceram, independentemente de concordarem ou não com o status quo macho-hetero-branco-cristão-capitalista da nossa sociedade.

Assim, quando brancos se posicionam contra o movimento dos negros contra o racismo, alegando que praticam um ‘racismo contrário’, quando homens se posicionam contra o movimento feminista alegando que praticam a ‘misandria’, quando heterossexais se posicionam contra os movimentos LGBTs alegando que pretendem uma ‘ditadura gay’, quando cristãos se posicionam contra o ateísmo alegando que são ‘imorais e pecadores’ e quando capitalistas se posicionam contra os movimentos dos trabalhadores alegando a ‘meritocracia’ estão, todos esses opositores, na verdade, lutando para manter seus privilégios, a que estão tão acostumados que os vêem como naturais, imutáveis, corretos e mesmo – pasmem! – necessários para o bom andamento da sociedade.

Qualquer indivíduo que se pretenda humanista terá, por definição, a obrigação ética de apoiar as lutas das minorias e dos grupos oprimidos, sem questionar sua legitimidade e sem pretender definir suas lutas ou como elas devem ser praticadas. Qualquer um que oponha as lutas das minorias e dos grupos oprimidos ao humanismo, como se estes fossem excludentes, ou não conhece essas lutas a fundo ou não conhece as características humanistas a fundo.

Para praticar o humanismo não é necessário diluir as lutas específicas de outros grupos mas, ao contrário, fortalecê-las apoiando-as, conhecendo-as e contribuindo para que, de luta em luta, de conquista em conquista, o humanismo possa, um dia, ser uma prática cotidiana, transformando nossa sociedade em uma sociedade verdadeiramente igualitária.

Anúncios

Deixe seu comentário ou sugira o assunto do seu interesse para futuras publicações!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s